Uma dádiva de Paz e Proteção

    Uma dádiva de Paz e Proteção

    Mensagem da Liderança da Área
     

    LEIMER_Axel_200x250.jpg

    Elder Axel H. Leimer, Alemanha
    Setenta de Área


    Ao nos filiarmos à Igreja por meio do batismo, sentimo-nos repletos de esperança de obter a vida eterna e de nos achegarmos a Deus à medida que compreendemos melhor a Sua essência e o propósito que tem para todos nós.[1] Na nossa religião, buscamos respostas para as questões mais difíceis da vida. Inicialmente, podemos obter respostas através de amigos, professores de confiança, missionários, mestres familiares ou do nosso bispo. Mas com o passar do tempo torna-se necessário que aprendamos a aceder aos poderes dos Céus por nós mesmos e a  tornarmo-nos espiritualmente autossuficientes.

    O Presidente Henry B. Eyring disse: “Existem muitos [...] que sentem uma necessidade urgente de desfrutar da bênção da revelação pessoal que provém do nosso Pai Celestial. [...] Todos sabemos que o julgamento humano e o pensamento lógico não chegam para se obter as respostas às questões mais relevantes da vida. Precisamos da revelação de Deus e não apenas nas épocas de stress, mas sim de um fluxo renovado e constante. Não carecemos apenas de um flash de luz e conforto, mas sim da contínua bênção de uma comunicação com Deus.”[2]

    A revelação pessoal chega a cada um de nós tal como aos profetas e apóstolos - por meio do Espírito Santo. Ele é um personagem de espírito. Ele testifica de Deus o Pai e do Seu Filho Jesus Cristo[3] e confirma toda a verdade por meio dos influxos do espírito e sentimentos de paz. As escrituras descrevem esta comunicação como vinda por meio de uma voz mansa e delicada[4], que não é detetada pelos nossos sentidos, mas que toca o nosso coração e a nossa mente[5], por vezes de forma aguçada e poderosa[6]. Esses breves momentos são como curtos flashes de luz em meio à escuridão. 

    Ao tomarmos a decisão de sermos batizados na Sua Igreja, recebemos a promessa de viver permanentemente na luz.[7],[8] Ao seguirmos os influxos do espírito, comprometemo-nos mais plenamente com o nosso Pai Celestial e com o Seu  Filho Jesus Cristo. No fim do Seu ministério terreno, Cristo disse aos Seus apóstolos: “Não vos deixarei órfãos: […] E eu rogarei ao Pai e ele vos dará outro Consolador, para que fique convosco para sempre; o Espírito da verdade; [...] Esse vos ensinará todas as coisas, e vos fará lembrar de tudo quanto vos tenho dito.”[9] Os apóstolos receberam então o Dom do Espírito Santo e conferiram-no a outros que haviam sido batizados, pela imposição das mãos e com a autoridade do Sacerdócio de Melquisedeque.[10] Este dom, também designado de o batismo pelo fogo[11], é nos dado sob a condição de arrependimento e o requisito de permanecermos dignos.[12] 

    Tal como o Presidente Boyd K. Packer ensinou, cada um de nós deve estar em condições de atender à inspiração para que o Senhor possa derramar inteligência pura na nossa mente, e assim, nos influenciar, orientar, ensinar e alertar.[13] 

    Pensem no que este dom de testemunho e de revelação pessoal contínua subentende:

    • Que existe um Deus
    • Que Ele nos conhece individualmente
    • Que Ele dirige a Sua Igreja por meio de profetas e confirmará as Suas diretrizes a cada um de nós individualmente
    • Que Ele se preocupa connosco e deseja falar connosco e guiar-nos
    • Que Ele respeita a nossa liberdade de escolha
    • Que nunca estamos verdadeiramente sós
       

    O Dom do Espírito Santo leva-nos à autossuficiência espiritual para que aprendamos a agir por nós mesmos sem sermos coagidos,[14] e para “que todo o homem, porém, fale em nome de Deus, o Senhor, sim, o Salvador do mundo.”[15]

    Este dom é uma benção tremenda!  Ele é a proteção que tão desesperadamente precisamos e ajuda-nos a encontrar as respostas para as perguntas da vida mais relevantes. O Espírito Santo leva-nos a fundamentar a nossa confiança e testemunho num alicerce perfeito e seguro – o próprio Jesus Cristo, que dirige a nossa Igreja. O profeta Helamã referiu isto bem, quando disse: “E agora, meus filhos, lembrai-vos, lembrai-vos de que é sobre a rocha de nosso Redentor, que é Cristo, o filho de Deus, que deveis construir os vossos alicerces; para que, quando o diabo lançar a fúria de seus ventos, [...] isso não tenha poder para vos arrastar ao abismo da miséria e angústia sem fim, por causa da rocha sobre a qual estais edificados, que é um alicerce seguro; e se os homens edificarem sobre esse alicerce, não cairão.”[16]


    [1] João 17: 3
    [2] Henry B. Eyring, “Revelação Contínua“, Conferência Geral, outubro de 2014
    [3] 2 Néfi 31: 18
    [4] D&C 85: 6; 1 Reis 19:11–13; 1 Néfi 17: 45
    [5] Dennis E. Simmons, “Sua Paz”, Conferência Geral, abril 1997
    [6] Helamã 5: 25, 29-31
    [7] James E. Faust, O Dom do Espírito Santo—“Uma Bússola Segura”, Conferência Geral, abril 1989
    [8] Doutrinas do Evangelho, p. 61
    [9] João 14:18, 16-17, 26
    [10] Atos 2: 38; Atos 8: 12-25; D&C 29: 33; Moróni 2: 1-3
    [11] Mateus 3: 11; 2 Néfi 31: 17; D&C 19: 31
    [12] Atos 2: 38
    [13] Boyd K. Packer, “Estas Coisas Eu Sei”, Conferência Geral, abril 2013
    [14] 2 Néfi 2: 13-14, 26
    [15] D&C 1: 20
    [16] Helamã 5: 12